13 de fev de 2009

PARTE 12 - PREPARATIVOS MOCHILÃO FRANÇA - CONTATO COM A FAMÍLIA

Ah, eu sou pessoa que pode dar TODAS AS DICAS para você entrar em contato com sua família. Ainda mais porque se tem uma coisa que eu faço é RARAMENTE ENTRAR EM CONTATO....Bem, prometi que iria mudar e divido todas de dar uma boa palavra com seus amigos e familiares durante sua estada em outros lugares do mundo.

O principal lugar, seguramente, é a Internet, onde você fala com todo mundo, por texto ou por video. Você pode mandar apenas um e-mail, ou bater um papo em diversos programas de conversa (chat) existentes na rede. Eu uso muito o Skype e o MSN. Também tem o VOIP, o ADPHONE... Pesquise. Alguns lugares têm outros serviços de contato mais em conta via TELEFONE mesmo. Para quem é avesso à informatica, principalmente, os que ficam (papai, mamãe...), esta é a melhor maneira de entrar em contato.

Para os que jogam no meu time e preferem ligar uma vez em nunca para poder aproveitar tudo sem distrações, sugiro que entrem em contato ao menos uma vez na semana. Se você é do tipo que quer falar todo dia, pode deixar o pessoal desesperado se por força maior não conseguir encontrar forma de contato. Sem contar que você também ficará agoniado imaginando a preocupação do pessoal esperando notícias. Então, não acostume mal as pessoas. Entre em contato, mas evite um padrão. Diga que se fará presente de vez em quando.


O que acontece é o seguinte: você está mochilando, tem muitos amigos que sabem disso e, quando você entrar para falar com um, terá vários querendo conversar com você. Logicamente você vai querer falar também. Daí, são HORAS dentro de um cyber. Você vai perceber só quando sair o tempo que, digamos, perdeu. Pense, ainda, se você tiver que procurar por uma?! Se é para o caso de ter que baixar imagens da máquina fotográfica, algo que você realmente precisa saber que está rolando, aí certamente vale a parada para mexer na internet ou fazer um

telefonema.

Você também pode usar um telefone celular habilitado para fora do país. Só que você paga alto por este serviço. Segue uma reportagem para você se inteirar mais, da "uai":


"Alerta vermelho para falar do exterior
Silas Scalione - Estado de Minas

As operadoras de telefonia móvel no Brasil adotam tarifas internacionais já há algum tempo, que, por sinal, não são tão acessíveis. Muito pelo contrário. Se você pensa em usar o celular fora do Brasil, antes de pegar o avião é importante verificar com sua operadora quais são os preços da ligação a partir do país onde você estará. E, também, se inteirar sobre o custo das chamadas recebidas, já que o preço com deslocamentos às vezes surpreende negativamente na conta tanto quanto os telefonemas internacionais.

Para ligar do exterior é preciso, junto à operadora escolhida, ativar o serviço. Muitas das informações necessárias para isso, como também detalhes de preços das chamadas, são encontradas nos sites das empresas. Mas cuidado, habilitar um celular para falar do exterior pode ser motivo de sustos no fim do mês, quando a conta chegar. É bom pensar bem e pesar as reais necessidades de se contar com um aparelho na viagem. Se não for estritamente importante levá-lo, mais vale usar os serviços tradicionais da telefonia fixa, comprando cartões e usando os famosos orelhões via Embratel (a empresa conecta o Brasil a grande parte do mundo). Ou levar o celular, mas só usá-lo com cartões pré-pagos adquiridos no local, que é, pelo menos, uma forma melhor de controlar o desejo de ligar.

Infelizmente, não existe um padrão específico para a cobrança de ligações internacionais, o que deixa o usuário perdido e dependente inteiramente das regras impostas pela operadora. Algumas taxas cobradas são em dólar, outras em reais; os custos com deslocamentos não são uniformes. Não existem pacotes especiais ao viajante como nos planos locais de conta controle, onde se paga um valor fixo para falar um determinado número de minutos. E, é bom salientar, no seu plano de minutos pós-pago não se contabiliza nenhuma ligação feita de fora, ou seja, cada chamada internacional é um custo à parte na conta.

De acordo com as operadoras que atuam no Brasil, a dificuldade de oferecer pacotes especiais está na forma de cobrança das empresas do país visitado, que são as parceiras que viabilizam a chamada, e que têm preços variados. O que as operadoras conseguem fazer são promoções pontuais, quando aproveitam determinadas épocas para oferecer descontos em ligações originadas de alguns países.

DESLOCAMENTO Sempre é bom alertar sobre o fato de atender ligações no exterior. A tentação é grande, pois, além de muitas vezes não ter como saber quem está chamando – já que não há serviço de identificação de chamada em todos os países –, ainda existe o fator saudade, a vontade de ouvir a língua pátria. Para piorar, muitas pessoas nem sabem que você está viajando e liga para simplesmente conversar, nada de importante. Já pensou se você resolve atender todo mundo que ligar durante suas duas semanas de férias naquele país exótico? Quem telefona paga simplesmente o preço de uma ligação local, enquanto quem recebe arca com os custos da diferença de uma ligação internacional. O serviço de bina é responsabilidade da operadora local e nem sempre é tão eficaz como aqui.

Para quem não consegue conter a curiosidade, uma opção mais segura é gravar uma mensagem na sua caixa postal dizendo que está viajando ao exterior e pedindo que lhe seja enviada uma mensagem de texto ou e-mail, se o assunto for importante, e desligar o aparelho. De vez em quando, ligue o celular e cheque se há mensagens, lembrando que, mesmo que você tenha um aparelho preparado para tal, os e-mails devem ser verificados em um computador, mesmo que você pague alguma taxa de uso no hotel. É muito mais barato do que conectar a web pelo celular.

Agora, se falar do exterior pelo celular é uma tentação irresistível, ou conversar regularmente com pessoas que ficaram no Brasil é imprescindível, o melhor é combinar com elas para que façam a chamada daqui. Isso porque os preços das ligações recebidas fora é sempre menor do que os telefonemas feitos para cá. Pelo menos dá, assim, para economizar um pouco. "

Como já disse, não sou de ficar ligando e é de minha opinião bobagem você viajar com celular habilitado ou ficar entrando em contato todo santo dia com gente de casa. Pense em economia mochileira, pense em também tirar férias das pessoas. A razão é apenas terapêutica. Distancie-se de tudo que é facilmente identificavel para você. Sinta o desconhecido e desperte áreas estranhas de seu cérebro. Cresça por dentro. E é bom descobrir que a gente sente falta das gentes da gente.


Foto: minha e da minha irmã, na internet do Albergue Cruz del Sur, Ushuaia- Argentina.

Foto: Eu em Plockton, Ilha de Skye, Escócia


Depois falo mais. Vou dormir que tô na fadiga.

Boas Noites!


V for Verônica

Nenhum comentário:

Postar um comentário